La empresa argentina Bravo Motor Company (BMC) anunció una inversión de 4.000 millones de dólares para construir una fábrica de autos eléctricos en el estado de Minas Gerais (Brasil). La planta se establecerá en la ciudad de Belo Horizonte y promete fabricar 22.790 vehículos 100% eléctricos a partir del 2024, creando un total de 14 mil empleos directos e indirectos.

El anuncio de inversión en Brasil fue realizado ante el gobernador de Minas Gerais, Romeu Zema, e incluye también un plan para fabricar 43.750 packs de baterías de litio anuales.

BMC fue fundada por el arquitecto, diseñador y empresario argentino Miguel Ángel Bravo, quien fabricó varios prototipos de vehículos eléctricos y nafteros hace una década en nuestro país. Entre ellos, se destacan el Nach One (leer crítica), el RodOn (ver nota), el Buggy Tecnópolis (leer crítica) y el Auto Popular Argentino (A!PA, ver nota).

En 2014 y tras denunciar las trabas del Gobierno para producir autos eléctricos en la Argentina, Bravo radicó su empresa en Estados Unidos, donde participó de diferentes proyectos de movilidad.

“Es un emprendimiento que abre un escenario muy positivo para el futuro", declaró el gobernador Zema. "Sabemos que, en las próximas décadas, la industria automotriz se deberá reinventar totalmente, pasando del tipo de motorización actual para los motores eléctricos. Vamos a comenzar ese proceso en Minas Gerais y en Brasil. Haremos todo para que esas raíces queden bien consistentes e, independientemente de quién estuviera aquí, que eso prospere al máximo posible. Es un momento único en mi gestión recibir algo tan innovador y que pueda generar tantos cambios positivos en este Estado que amamos tanto", agregó el funcionario.

"Industrialmente, nuestra estrategia inicial era abrir tres fábricas en Brasil", afirmó Eduardo Javier Muñoz, CEO de Bravo Motor Company. "Una en Minas, otra en el Sur y otra en el Norte. En diciembre, en la primera visita que hicimos a Minas, entendí rápidamente que deberíamos hacer un esfuerzo muy grande y que deberíamos concentrarnos en Minas Gerais. Es muy importante entender que estamos viniendo a este Estado para traer una industria 4.0, con eficiencia y transparencia aumentadas. Eficiencia desde el punto de vista de la tecnología. Y transparencia desde el punto de vista de la implementación e integración de esa tecnología y servicios con la población", añadió el ejecutivo.

BMC anunció que las obras para construir la planta llamada Colossus Cluster en Minas Gerais comenzará en junio de 2021. Se espera que las obras estén terminadas a fines de 2023, para comenzar con la producción de vehículos y baterías en 2024.

***

Bravo Motor Company: la empresa argentina anunció una inversión de 4.000 millones de dólares para fabricar autos eléctricos en Brasil
El anuncio de inversión de Bravo Motor Company ante el gobernador de Minas Gerais, Romeu Zema.

Bravo Motor Company: la empresa argentina anunció una inversión de 4.000 millones de dólares para fabricar autos eléctricos en Brasil
Renders de la planta industrial que se planea construir en Brasil.

Bravo Motor Company: la empresa argentina anunció una inversión de 4.000 millones de dólares para fabricar autos eléctricos en Brasil
El llamado Colossus Cluster está pensado para fabricar baterías y autos eléctricos.

Bravo Motor Company: la empresa argentina anunció una inversión de 4.000 millones de dólares para fabricar autos eléctricos en Brasil
La historia de Bravo Motor Company, en esta sección de Autoblog.

***

VIDEO: BMC Colossus Cluster Brasil

***

Comunicado del Gobierno de Minas Gerais Zema anuncia investimento no valor de R$ 25 bi com instalação de fábrica de veículos elétricos na Belo Horizonte

O governador Romeu Zema assinou, nesta sexta-feira (5/3), protocolo de intenção entre o Estado e a Bravo Motor Company para implantação de uma fábrica de veículos elétricos e packs de baterias na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A empresa faz parte do grupo que desenvolveu o primeiro carro elétrico da América Latina. O investimento estimado para a fase 1 do projeto, chamada de Projeto Colosso 1, é de R$ 25 bilhões.

Novas fases de investimento estão previstas para outras regiões de Minas, com produção de baterias de lítio, e devem ser tema de futuros protocolos com a empresa.

Zema comemorou a iniciativa e ressaltou que ela deve gerar bons frutos para os mineiros a longo prazo.

“É um empreendimento que abre um cenário muito positivo para o futuro. Sabemos que, nas próximas décadas, a indústria automobilística deverá se reinventar totalmente, passando do tipo de motorização atual para motores elétricos. Vamos começar esse processo em Minas Gerais e no Brasil. Faremos tudo para que essas raízes fiquem muito consistentes e, independentemente de quem estiver aqui, que isso prospere o máximo possível. É um momento único, na minha gestão, receber algo tão inovador e que possa gerar tanta mudança positiva nesse estado que amamos tanto”, disse o governador.

O CEO da Bravo Motor Company Brasil, Eduardo Javier Muñoz, disse que o potencial de Minas Gerais levou a empresa a concentrar aqui suas operações no Brasil.

“Industrialmente, nossa estratégia inicial era abrir três fábricas no Brasil. Uma em Minas, outra no Sul e outra no Norte. Em dezembro, na primeira visita aqui, entendi rapidamente que teríamos que fazer um esforço muito grande e que deveríamos nos concentrar em Minas Gerais. É muito importante entender que estamos vindo para Minas Gerais para trazer a indústria 4.0, a eficiência e a transparência aumentadas. Eficiência aumentada do ponto de vista da tecnologia empreendedora, e transparência aumentada do ponto de vista da implantação e integração dessa tecnologia e serviços com a população”, explicou.

O secretário de Estado adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, destacou o crescimento da economia mineira.

“Minas deu um grande avanço como uma economia cada vez mais sólida, diversificada, sustentável e promissora com as tendências do mercado global. Esse investimento é fruto do reconhecimento das diversas potencialidades que o estado tem. Começo falando do potencial tecnológico e um expressivo ecossistema de inovação”, lembrou.

A estimativa é a de que a fábrica de veículos elétricos e packs de baterias comece a ser implantada em junho de 2021 na Região Metropolitana de Belo Horizonte e inicie a operação em 2023. A produção estimada para 2024 é de 22.790 unidades de veículos e 43.750 de unidades de packs de baterias. O investimento total de R$ 25 bilhões deve ser realizado até o final de 2029 e a previsão é que sejam gerados 13.813 empregos diretos e indiretos.

Durante a agenda nesta sexta-feira, também foi assinado protocolo de cooperação entre a Bravo e a Agência Brasileira de Promoções de Exportações e Investimentos (Apex), para apoio às ações.

O gerente de investimento da Apex, Roberto Escoto, destacou a importância do trabalho em conjunto para atrair bons investimentos ao estado.

“O Indi tem uma equipe extremamente profissional e proativa, e nós temos trabalhado em parceria intensamente. Minas tem sido uma referência para os outros estados. A Apex entende que a atração de investimentos estrangeiros é muito mais efetiva quando temos este nível de integração que nós atingimos com o estado de Minas Gerais. Não há dúvida que este investimento é inovador, vai gerar uma grande quantidade de empregos qualificados e transferir tecnologia para todo o país”, afirmou.

Além da geração de empregos e benefícios econômicos, a implantação da nova fábrica vai gerar ganhos significativos ao meio ambiente, já que o carro elétrico é mais sustentável e menos poluente.

Além disso, os veículos elétricos tendem a ser mais silenciosos e eficientes, ter menor custo de abastecimento e menor custo tributário e de manutenção.

O diretor de atração de investimentos do Indi (Instituto Integrado de Desenvolvimento Econômico), Ronaldo Alexandre Barquette, avalia que o projeto deve ser exemplo para todo o país.

“A implantação deste projeto eleva Minas Gerais a um novo patamar de desenvolvimento de tecnologias disruptivas e sustentáveis ainda não visto no Brasil, voltadas à mobilidade elétrica, com o desenvolvimento e produção de veículos elétricos e seus componentes. Reflete a importância de Minas nos mais variados setores da economia e sua busca constante para se manter na vanguarda de tecnologias que facilitem e melhorem a vida das pessoas”, afirmou.

A empresa ArqBravo Group começou a operar em 2008 na Argentina. Em 2019, criou a primeira comunidade de energia de vanguarda para produção de baterias, tetos solares e veículos, na Califórnia. No Brasil, produz atualmente projetos de mobilidade elétrica no Pará, com frota de 1,1 mil veículos elétricos em Belém. Em 2021, o grupo abriu CNPJ em Minas sob a razão Bravo Motor Company Brasil.

Cluster Industrial é um conjunto de empresas dedicado à inovação aplicada nas áreas de mobilidade urbana e energia, onde serão fabricadas baterias de lítio de alta densidade energética, veículos de mobilidade urbana (pessoas e mercadorias), sistemas de armazenamento de energia, nodos de comunicação para satélites, sistemas de cargas por indução, robôs para uso em logística e combate a incêndios, sistemas de motorização elétrica para mobilidade de pessoas com deficiência motora e sistemas de transporte público.

Até fevereiro de 2021, Minas fechou mais de R$ 95 bilhões em investimentos via Indi, além do protocolo firmado nesta sexta-feira. Somente os R$ 25 bilhões assinados pela Bravo é quase equivalente a todo o investimento atraído entre 2015 e 2018, que foi no total de R$ 28,2 bilhões.